Arquivista 2.0: especialista em informação humana digital

07/12/2008 at 17:44 Deixe um comentário

Muito se fala no mundo 2.0 – empresa 2.0, web 2.0, trabalhador (worker) 2.0. O termo Web 2.0 é utilizado para definir uma nova etapa da World Wide Web, que reforça os conceitos de colaboração dos internautas e oferta de serviços on-line.

Esse novo mundo 2.0 é espelhado através da informação orgânica, registro da inteligência coletiva, das decisões das pessoas instituições e do relacionamento profissional. É a prova da ação humana e o registro de suas atividades nos processos.

Tanto é de fato que a gestão de conhecimento corporativo, por exemplo, hoje registra o que está acontecendo entre as pessoas nas empresas e entre elas e as próprias instituições, através da história oral em projetos e o registro da tomada de decisão só para citar dois.

Mais que nunca o e-mail hoje é o documento mais importante nas empresas, é uma evidência sempre considerada. Além do mais, a colaboração corporativa, onde os individuos relacionam-se numa comunidade virtual realizando determinado tipo de troca de informações, atividade, processo ou trabalho é hoje o destaque no mercado corporativo. Leia Wikinomics e saberá porquê.

Essas novas atividades de geração de informação também geraram novos perfis de pessoas: os proconsumers, aqueles que produzem e consomem conteúdo e informações. Essa relação se dá em arenas de relacionamento que utilizam ferramentas de web 2.0, como os blogs, wikis, microblogs, ambientes de troca de arquivos. Aqui o arquivista 2.0 deve pensar na classificação e estruturação da informação, além da própria temporalidade, pois no ambiente digital sempre temos de lembrar da preservação digital e do tamanho limitado dos servidores para registar as informações.

O arquivista 2.0 deve entender essa informação orgânica e ver o que se deve fazer com o conteúdo gerado nos blogs e wikis da vida e nas ferramentas de interação humana no mundo digital. E como é o versionamento de conteúdo num documento gerado num workflow colaborativo? E a classificação/indexação e o descarte? Ainda temos de pensar no acesso, armazenamento e busca desses conteúdos.

E o que fazer com as redes sociais, as discussões registradas nos tópicos de fórum? E a folksonomia (a etiquetagem de informação realizada pelos próprios usuários), serve só para o usuário ou tem um sentido mais amplo, pode ser adequado a outros usuários? Temos de pensar cada vez mais na relação direta e orgânica das pessoas e das informações, só possível nos ambientes digitais.

E os famosos metadados? Objeto de estudo nas faculdades e objeto de trabalho para quem trabalha com informações digitais. O projeto internacional Interpares de Luciana Duranti, tocado por arquivistas no mundo todo e que busca, por exemplo, trabalhar a validação e autencidade das informações digitais preocupa-se com isso há muito tempo.

Isso não deve ser uma novidade para nós arquivistas, profissionais responsáveis pelas informações orgânicas – aquelas geradas nas decisões e explicitadas em registros -, na verdade esse novo comportamento 2.0 já havia sido pensado desde o início da web, todo mundo trabalhando em rede, trocando informações de forma multifacetada. A invenção de Tim Berners-Lee a WWW, era para possibilitar que ele, através de um protocolo de troca de informações (TCP/IP) e algo que só existia na teoria – o hiperlink textual – conseguisse trabalhar de forma colaborativa com outros cientistas.

Por isso me pergunto: todo mundo sabe o conceito clássico de documento (salve Schelemberg!)… mas olhado ali na frente, ali na esquina com a realidade posta de virtualização e digitalização da informação me pergunto – o que é documento? Devemos rever seu conceito como, por exemplo, se revê hoje os direitos autorais? Com certeza esse deve ser um ponto de atenção para os arquivistas 2.0 🙂

Charlley Luz – São Paulo – é publicitário e arquivista pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Especialista em projetos de Ciência da Informação em portais corporativos, atuou como atendimento, mídia e planejamento em agências de propaganda por mais de dez anos, atendendo campanhas publicitárias para empresas e organizações no RS. Na área de internet iniciou seu trabalho na wwwriters em 1999 com a elaboração de projetos de ambientes digitais, através da arquitetura de informação e conteúdo. É consultor de Ciência da Informação e Comunicação da Plena Consultores, trabalhou em projetos para empresas como CCR – Companhia de Concessões Rodoviárias, Toyota do Brasil, Light Energia, Suzano Papel e Celulose, Contax, oas Construtora e Sebrae Nacional, entre outros. Atualmente desenvolve também pesquisas acadêmicas na área da Ciência da Informação.

Anúncios

Entry filed under: Arquivista, gestão do conhecimento, portais corporativos. Tags: , .

A nova onda da SOX: a gestão da informação O toque de um Arquivista na Gestão do Conhecimento

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Meu Twitter


%d blogueiros gostam disto: