O blog é uma informação arquivistíca?

30/01/2009 at 22:02 8 comentários

Esses dias quando vi estava comparando os manuscritos, ou cartas e memórias dos arquivos pessoais com os registros orgânicos deixados nos blogs e comunidades da web.

Acredito que ambos tratam de informação pessoal. Me lembro inclusive de minha época de graduação e uma discussão que teve sobre isso em Arquivos Especializados. A professora insistia que cartas era um registro e não um documento. Documentos registram tomadas de decisão e envolvem a comprovação de algo e cartas tem um cunho pessoal, por isso ela duvidava que esse tipo de conteúdo fosse uma preocupação arquivística.

Bem, além de considerar, já à época, esta uma posição muito conservadora, agora penso que tal posicionamento desmerece o esforço da inteligência coletiva (só possível em humanos) em deixar sua história registrada na web, mesmo sem se preocupar com isso, saber que está fazendo isso. Hoje o universo corporativo já adotou o blog como ferramenta de registro e a informação digital é utilizada na maioria dos processos produtivos. Imagino a profi tentar classificar um blog ou identificar sua tipologia, não sei se ela gostaria. Mas isso o arquivista 2.0 deve tirar de letra 🙂

O blog é um tipo de registro que comparo sim a cartas ou memórias de um arquivo pessoal. Mas antigamente a pena e nanquim não era para todos, o anafalbetismo era grande e hoje nos restam registros de gente ilustre, intelectuais do passado. Mas hoje a coisa é mais coletiva.

Acredito que a facilidade da informação aumentará consideravelmente a quantidade e variedades de pensamentos de nossa época. Haverá registros de opiniões variadas sobre temas tão variados do mundo todo. Por exemplo, imagine a quantidade de registros de informação em blogs sobre o tema aquecimento global?Com será a pesquisa sobre este tema daqui a trinta anos.

Imagine este blog daqui a trinta anos.

A informação digital quebra os paradigmas para os arquivistas e bibliotecários nos registros atuais. Mas daqui há trinta anos como farão os historiadores por exemplo? Como vão pesquisar fontes para suas pesquisas num mundo multifacetado como são as teias da web. Esse é um importante ponto de atenção para estes profissionais. Talvez para biógrafos a coisa facilite, pois um blog registra uma linha de tempo de um indivíduo. São registros de seus pensamentos, ações, idéias e sentimentos.

E você, o que acha que será de nossas informações digitais de hoje, da era da explosão informacional e dos primórdios da informação digital daqui a trinta anos?

Valeuuuu!

Anúncios

Entry filed under: Arquivista, Gestão da Informação, informação digital, inteligência coletiva, Tecnologia da Informação. Tags: , , , , .

Tecnologia da Informação na gestão do conhecimento e informação orgânica Tem informação de gestão? Coloca no cockpit!

8 Comentários Add your own

  • 1. arquivoememoria  |  31/01/2009 às 12:54

    Acredito que no futuro existirá o Arqueologo Digital, profissional especializado em “desenterrar” informações nesse Universo em Expansão que é a internet. Só me pergunto se com a evolução constante das tecnologias, isso será possível. Por exemplo, você consegue acessar hoje as informações de um disquete de 5.1/4????

    Resposta
    • 2. charlley  |  31/01/2009 às 13:56

      Exato Otacilio, a preservação digital é um ponto importante, perde-se muito com a migração de tecnologia e há riscos de não conseguirmos acessar tudo isso que acontece hoje daqui a 30 anos…
      []s

      Resposta
  • 3. nane_carey  |  31/01/2009 às 14:34

    Olá, também tenho um blog de Arquivologia 😀

    Poderiamos trocar links?
    Beijos e Bom Fim de Semana! Nane

    Resposta
    • 4. charlley  |  31/01/2009 às 23:12

      Já está lah, muito legal o seu blog, cheio de informação 🙂
      []s

      Resposta
  • 5. leonor  |  07/02/2009 às 21:35

    Sem dúvida que um blog é informação arquivística!!! muda o suporte, não muda a função, quando se rrata de escrever sobre o dia a dia. claro que com muito mais vantagens… mas a cada um a sua época; hoje expomos diários manuscritos, daqui a alguns anos exporemos só digitais (se lá chegarem, é certo)

    Gostei do seu blog, Charlley

    Bom fim de semana!

    Resposta
  • 6. Gunday  |  09/02/2009 às 19:19

    Eu pessoalmente acho que falta muita informação sobre a tecnlogia para o mundo arquivista! Tem muitos alunos e profissionais que continuam caminhando do mesmo modo que se caminhava a 10 anos atrás! Na universidade a falta de visão do futuro é o que mais prejudica o curso. Muitos alunos não tem essa visão e eu trabalho no ramo digital a anos e sei a importancia dele para o mundo empresarial e seu crescimento expoêncial no mercado.

    Um blog é uma fonte de ifnormação e que hoje está crescendo mt! Tenho um amigo de jornalismo e publicidade que esta fazendo uma tese e trabalhando num projeto de pesquisa da UFES sobre Blogs e Mídias alternativas. O projeto é maravilhoso e diz mt sobre a evolução dos blogs desde seu inicio até os dias atuais.

    O amigo falou sobre a leitura de arquivos armazenados em mídias antigas. Amigo, uma empresa de gestão boa, possui equipamento que além de ler qualquer mídia até faz a recuperação da mesma! Vale lembrar que depois que a informação é recuperada ela é passada para uma fonte mais atual de armazenamento carregando consigo um selo digital de autenticidade.

    Espero que o povo acorde! Nos dias de amanhã o arquivista vai ter que aprender a trabalhar em conjunto com o pessoal de TI e aqueles que conseguirem fazer isso, vão ganhar mt dinheiro em vez de ficar em empresas bobas no mesmo cargo o resto da vida ganhando no máximo 3 mil….

    Visão e Profissionalismo vão ser as caractéristicas marcantes para o arquivista de sucesso do amanhã!

    Resposta
  • 7. Helena  |  11/02/2009 às 23:06

    Eu penso que quem tem vocação consegue extrair bastante informação sobre linguagem e contexto social destes meios eletrônicos e pessoais de registros. Sobre o que se valorizava em termos de comunicação em um dado momento. Sobre a contrução da imagem de seus autores diante de meios muito mais abrangentes de comunicação e sob influências muito mais diversificadas.

    São meios de prestar testemunho multimídia dos fatos. São meios de comunicar, expressar, estabelecer relações e promover atitudes. São meios de prova cada vez mais utilizados na investigação criminal.

    São meios onde convivem liberdade de expressão, informações de todas as qualidades, informalidade e atualização instantânea com toda a sorte de erros, ingenuidades e má-fé.

    Acredito que um diferencial fundamental das formas de registro via web é que as pessoas, de modo geral, desconhecem elementos fundamentais sobre este registro em si mesmo. Por exemplo, não sabem onde fisicamente estão sendo feitos estes registros; de que forma são preservados; se são de fato apagados definitivamente quando solicitado; etc.

    Mas isso faz parte da aura de mistério que envolve o mundo digital. Fazer parte deste meio, deixando lá seu registro como marca numa pedra, tem sido o foco principal. Por onde esta pedra vai rolar? A poucos importa.

    Resposta
    • 8. charlley  |  11/02/2009 às 23:12

      Helena
      inspiradissimo e muito bem posicionado seu comentário. Também acho importante registrar nossa historia no mundo digital, mesmo sem saber o que vai acontecer. Há mais mistérios na nuvem da internet que a gente nem desconfia 🙂
      Também acho que nem temos certeza onde tudo vai dar e o que vai ser desse nosso diálogo daqui há trinta anos 🙂

      Resposta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Meu Twitter


%d blogueiros gostam disto: