Tem informação de gestão? Coloca no cockpit!

08/02/2009 at 10:07 1 comentário

O mundo exige qualidade e as corporações e instituições, por conta disso, enfrentam novos paradigmas em seu ambiente. Ainda mais com a economia em crise. Isso se reflete nas exigências de qualidade, fatores de sobrevivência dessas intituições. E, ainda, em novas formas de gestão e de organização, como o trabalho em rede. Cabe ao arquivista 2.0 interpretar esta necessidade e transformá-la numa solução.

Pois bem, as intranets representam, neste ambiente competitivo, corporativo com ou sem crise, a forma como integrar os colaboradores com objetivos estratégicos das empresas. E mais, a gestão do conhecimento chega como a forma de registrar o capital intelectual, usando as intranets como meio de trabalho.

Sabe-se que os programas de qualidade precisam adoção dos colaboradores. Nada melhor do que a intranet como forma de divulgação das atividades dos programas de qualidade. Porém isso pode ir mais além. Que tal poswsibilitar não só a comunicação mas a própria administração de métricas no portal?

A relação dos portais com a qualidade vai mais além mesmo. Servem como instrumentos de divulgação, mas também como fontes e fornecimento de dados. E mais, os portais corporativos são a própria ferramenta de gerenciamento e relacionamento dos programas de qualidade, apresentando e gerando automaticamente indicadores para os colaboradores. Hoje este é um ponto de atenção para grandes players do mercado. A própria Microsoft destaca entre seus produtos o Performance Point, que é um sistema capaz de fazer isso.

Tenho andado muito por ai em empresas e vejo que a interface do portal tanto capta dados que geram métricas de qualidade de prestação do serviço, expressos em indicadores, como também divulgam estes dados na intranet, democratizando as informações e estimulando a adoção da qualidade na prestação do serviço.Este, acredito, seja o maior papel do portal no mundo da qualidade e na facilitação da qualidade nass empresas.

Na minha pós estudei mais aprofundadamente isso e cheguei a conclusão que o relacionamento entre portais e indicadores de qualidade possui diferentes níveis de maturidade. 

Em alguns casos este relacionamento é de um simples canal de comunicação, é o que chamo de geração 1, o portal apoiando a divulgação da qualidade.

Em outros casos, a relação entre portais e qualidade é uma via de mão dupla de informações – chamo de geração 2.O portal é uma interface de captação e comunicação de informações sobre qualidade.

E por último, com as facilidades de hoje termos cockpits e dashboards de fontes diversas de informação notei que portais servem como instrumentos de gestão e participação na qualidade.É a terceira geração da relação entre Portais e Programas de Qualidade.

Abaixo um exemplo de Cockpit. O histórico dessas informações são passíveis de registro? O que você acha?

 

 

 

Anúncios

Entry filed under: Arquitetura de Informação, Arquivista, gestão do conhecimento, portais corporativos, qualidade.

O blog é uma informação arquivistíca? A nuvem da internet está na cabeça do arquivista 2.0

1 Comentário Add your own

  • 1. Rossana Fernandes  |  10/02/2009 às 08:46

    Muito bacana sua iniciativa com esse blog.
    Show de bola mesmo.
    Já comecei a divulgar para alguns amigos arquivistas.
    Um abraço

    Resposta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Meu Twitter


%d blogueiros gostam disto: