A Arquivística e a Arquitetura da Informação: similaridades possíveis

30/03/2009 at 19:30 7 comentários

A Ciência da informação, considerada como uma metaciência abrange várias outras disciplinas, da lingüística à interação humano-computador (IHC) e prevê o intercâmbio com outras áreas que apresentem a informação como objeto de estudo. Logo porque não pensar as trocas possíveis entre a Arquitetura de Informação e a Arquivística, pois ambas bebem na fonte da ciência da informação?

A Arquitetura de Informação e a Arquivística possuem um perfil parecido. Enquanto a arquivística é uma disciplina ainda localizada nos bancos acadêmicos e empregada aos pedaços no mundo informacional possui um corpo teórico estabelecido e comprovado pela prática. Esta é uma fonte possível para os arquitetos de informação. Já a Arquitetura da Informação é uma área que apresenta uma teoria multidisciplinar nova e que em função dessa interdisciplinaridade e das tecnologias de informação empregadas nos desenhos dos ambientes digitais, pode beber na fonte da arquivística e a estruturação da informação orgânica.

A diferença entre as informações tratadas por arquivistas e arquitetos da informação é quanto a sua utilização. Enquanto na arquivística a preocupação é com a integridade e valor de prova da informação, na arquitetura de informação o foco é a utilização (a eficiência e a eficácia) no uso das informações possíveis e disponíveis no ambiente digital.

Mas aqui podemos identificar que existe um ponto de convergência básico entre Arquivística e AI e não apenas quanto ao objeto (a informação), mas também quanto à finalidade desta que é dar acesso a informação. Ambas as áreas buscam a organização das informações para futura disponibilização aos usuários, cada uma empregando suas ferramentas.

O documento do ponto de vista arquivístico caracteriza-se pelo registro de informação orgânica, utilizada em tomada de decisão e produzida como resultado das ações de entidades e pessoas. Já os ambientes digitais, os Websites, documentos hipermídia produzidos nos sistemas digitais visam a divulgação, promoção, exposição e comunicação de informações a determinado público.

Cada área apresenta suas metodologias e seus princípios para o tratamento das informações. Abaixo podemos ver como se dá este relacionamento entre:

Objeto de trabalho: para os arquivistas são as informações orgânicas e para os arquitetos de informação são as informações necessárias em um ambiente, que podem ser orgânicas, de comunicação, noticiosas e assim por diante.

Quanto ao objetivo, os arquivistas se concentram no acesso a informações orgânicas e que representam decisões e registros da vida da instituição que este trabalha. O objetivo do arquiteto de informação é possibilitar a eficiência e a eficácia no acesso às informações digitais e a interação deste usuário neste acesso.

Lembro que o arquivista tem entre suas funções técnicas a criação de instrumentos que facilitem o acesso a informações como dossiês, catálogos e outros, enquanto o AI tem a função de criar sistemas de navegação e de estruturação web que possibilitem este acesso também.

Quanto à classificação, o Arquiteto de informação utiliza-se da taxonomia para criar grupamentos informacionais que categorizem por similaridade conteúdos e possibilite o acesso direto ou circular a esses conteúdos. Enquanto o arquivista utiliza-se de métodos consagrados para estruturar as informações como o método funcional, organizacional ou por assuntos (ou até mistos).

Quanto à avaliação (técnica de classificação e guarda ou descarte de documentos), aplicado pela arquivística, é a forma de aperfeiçoar espaços e arquivamento de informações nos acervos. O Arquiteto de Informação nessa hora conta com a ajuda do especialista em conteúdo, para determinar a gestão do conteúdo. Onde eu trabalho entregamos para nossos clientes uma Matriz de Conteúdo Crítico, que determina a temporalidade e duração dos conteúdos por sua tipologia dentro dos ambientes digitais.

E por último cito a descrição, que é outra atividade típica de um arquivista e que gera os instrumentos de pesquisa. Esta é a forma de listar as informações, determinando rótulos para cada tipo de informação num acervo. O Arquiteto de Informação emprega para tanto o famoso tagueamento, que pode ser social ou não e quando não é utiliza-se de tesauros para isso. Eis um ponto em comum claro entre as duas áreas: o uso de vocabulário controlado para descrever suas informações, no mundo web através de metadados e no mundo arquivístico através de instrumentos de descrição.

E você, já parou para pensar sobre a similaridade entre essas áreas?

Anúncios

Entry filed under: Arquitetura de Informação, Arquivista, Arquivistica, Gestão da Informação, informação digital, metadados, Tecnologia da Informação. Tags: , , , .

Sharepoint como ferramenta de informações orgânicas: uma nova arquitetura de informação E nós com isso? Um pouco mais de Gestão do Conhecimento e Arquivologia

7 Comentários Add your own

  • 1. José Lopes  |  01/04/2009 às 16:46

    Já pensei neste assunto mas terei de ter mais informação.

    Responder
  • 2. charlley  |  01/04/2009 às 17:05

    Olá José Lopes como poderemos fornecer mais informações?
    []s

    Responder
  • 3. Vanderlei Santos  |  13/04/2009 às 09:54

    Olá, Charlley! Parabéns pela iniciativa de buscar ampliar o campo exploratório de nossa área, como você já fez em outros textos e, até, com este espaço Arquivista 2.0. Seu texto, para dizer o mínimo, nos deixa com uma inquietação que só o aprofundamento teórico permitirá concluir pela concordância ou não de sua proposta. De qualquer forma só por induzir ao questionamento da área já merece crédito.

    Responder
  • 4. Rafael Marinho  |  16/04/2009 às 19:29

    Olá achei fantástico o relacionamento que você fez entre a Arquivologia e a AI, eu sou bibliotecário por formação e arquiteto de informação por profissão, trabalho numa agência web e você tem muita razão na relação entre as áreas… A AI é uma área apaixonante

    Responder
  • 5. Missury  |  21/06/2009 às 01:58

    Charlley, muito boa todas as suas colocações aqui neste blog!!! Bom achar um autor que relaciona a arquivística com a Web 2.0, que vê nas bases de dados de colaboração como Wikipedia, google, flirck (os documentos arquivísticos digitais). É uma realidade que nós arquivistas teremos de encarar daqui para frente, a colaboração em massa é crescente, e em consequencia a sua produçaõ informacional. Como controlar toda essa colaboração informacional? Como dar autenticidade? preservar? dar Acesso? Tudo isso é o que nos espera!

    Responder
    • 6. Zayr Cláudio  |  12/11/2010 às 20:00

      Parabéns pelo blog. Em breve comentarei algo, uma vez que pesquiso sobre Arquitetura da Informação.

      Responder
  • 7. Samuel Souza Lima  |  12/05/2012 às 12:56

    Oá, Charlley!
    Em breve irei adquirir seu livro. Aqui, gostaria de manifestar minha satisfação pelo privilégio de acumular conhecimentos de arquivo com um profissional tão talentoso quanto vc. Por favor, informe-me sobre como posso estudar AI (faculdade ou curso técnico?)ou se esta matéria irei encontrar na faculdade de arquivologia(me parece que não consta na grade da Unirio). è importante saber inglês(ser fluente ou ter apenas uma noção)? Grato pelo espaço concedido!

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Meu Twitter


%d blogueiros gostam disto: