Foco no usuário: pense no usuário antes dele precisar de você

09/08/2009 at 10:12 4 comentários

A preocupação do foco no usuário é presente na ciência da informação, sendo objeto maior da biblioteconomia e há pouco tempo da arquivologia (que até então focava muito mais na informação e não atentava muito ao público final). Porém com o advento da informação digital, eletrônica e de tempo real, tivemos de mirar também as possíveis utilizações da informação pelos usuários. Daí surgiram a ISAD e a NOBRADE que buscam uma certa padronização e, portanto, uma melhor interoperabilidade entre os sistemas de informações de documentos.

Mas isso não é novidade para a arquivologia. Há muito tempo estudo e acompanho a metodologia DIRKS (Designing and Implementing Recordkeeping Systems), elaborada por arquivistas australianos, e que busca criar uma metodologia para desenho de sistemas de gerenciamento de arquivos focada nas necessidades de negócio e nos usuários.

Ai está um grande diferencial da DIRKS, possibilitar mostrar aos verdadeiros usuários como um sistema pode ser adequado as suas necessidades. Pela metodologia nada sai da cabeça de uma só pessoa, um arquivista iluminado, mas sim de um levantamento minucioso, junto aos geradores de documentos, de suas necessidades, demandas e formas que trabalham os documentos.

Pretendo fazer um post só sobre a DIRKS, mas neste post quero falar mais no Foco no Usuário. Porque um arquivista vai, por exemplo, acompanhar um teste de usabilidade de uma intranet? Fiz isso essa semana e levantei alguns dados bem importantes.

Um teste de usabilidade de um sistema ou de qualquer interface de relacionamento precisa ser testada por outras pessoas que não foram as que planejaram. Isso é fato. Eu estava convencido que os colaboradores da empresa onde apliquei o teste achariam com facilidade a biblioteca de documentos do jurídico. Poderiam achar, se localizassem fácil a área jurídica. Acontece que, como estratégia de arquitetura de informação, optamos por não criar links com nome de áreas da empresa (isso é coisa antiga), mas sim criar uma intranet focada em processos. Decidimos criar acessos rápidos a documentos das áreas para mantermos nossa estratégia inicial. Mas isso não seria visto sem o teste de usabilidade.

Enfim, o foco no usuário é importante já no planejamento. Não pense nela quando o usuário precisar da informação. Pense nela nos instrumentos de pesquisa, nas interfaces de sistemas de gerenciamento e na relação direta do usuário com a informação.

Anúncios

Entry filed under: Arquitetura de Informação, Arquivista, Arquivistica, Descrição Arquivística, Gestão da Informação, metadados, Tecnologia da Informação, Uncategorized. Tags: , .

Um papo sobre Memorando – existe memorando externo? Parabens aos Arquivistas pelo seu dia – 20 de outubro

4 Comentários Add your own

  • 1. Elizabeth Maia  |  09/08/2009 às 23:27

    Realmente, essa discussão está mais presente na Biblioteconomia, mas tenho muito interesse no tema. Seria legal se vc viesse ministrar uns cursos aqui em Brasília tmb, não é? Sei que você é amigo do Marcelo Pimenta. Eu era estagiária no sebrae nacional quando convivi com ele (com o Sérgio Storch e o Cacau Guarnieri) um curto tempo. Muito bom o tempo que eu passei lá. Bem, é isso. Um abraço pra vc.

    Responder
  • 2. Nalvinha  |  03/10/2009 às 00:41

    Senhores ( as ) Boa Noite!
    Antes q o usuário precise de mim e eu tenha dúvidas estou lançando uma pergunta.
    Quando um servidor é cedido ou transferido para outro Orgão ( trambém público), a pasta contendo a vida funcional ou seja o dossiê, segue com o servidor para o outra empresa? Ou segue apenas as cópias do dossiê?Me ajudem nesta dúvida. E qual lei dá respaldo?Aguardo resposta.
    Abraços arquivistas.

    Responder
    • 3. charlley  |  04/10/2009 às 13:33

      Olá Nalvinha, atente para um dos mais importantes principios arquivisticos:
      Princípio da Proveniência:
      Arquivos originários de uma instituição ou de uma pessoa devem manter a respectiva individualidade, dentro de seu contexto orgânico de produção, não devendo ser mesclados a outros de origem distinta.

      Responder
  • 4. Gomes  |  05/08/2010 às 15:42

    Partilho aqui a experiência que tenho vindo a acumular sobre o assunto, o erro de quem desenvolve é apenas ouvir arquivistas, a consequência é os usuários terem imensa dificuldade em utilizar as aplicações, o erro é desenvolverem apenas para arquivistas. deixo aqui um exemplo, Real Gabinete Português de Leitura de um sistema de gerenciamento de arquivo que incorpora normas como a ISAD, ISAAR, MOREQ etc, disponibiliza aos usuários a visualização online de documentos digitalizados.

    http://www.realgabinete.com.br/GEADOPAC/

    (é necessario instalar plugin silverlight)

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Meu Twitter

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.


%d blogueiros gostam disto: