“É uma ajuda para quem quer entender os tempos atuais”

Charlley Luz – Entrevista sobre o livro Primitivos Digitais

O que te motivou a escrever o seu novo livro, Primitivos Digitais?

Resolvi escrever um livro que mostra como encarar novas tecnologias e técnicas com uma abordagem arquivística. Enquanto as novas gerações já nascem sabendo utilizar de forma intuitiva as ferramentas digitais, nós que aqui chegamos antes, precisamos compreender como abordar isso. Obviamente que a abordagem serve também para a nova geração, afinal é um diálogo sobre o que está acontecendo hoje e a área da arquivologia. Enquanto a geração internet nativa assume seus postos, seguimos nós, profissionais da informação, arquivistas e bibliotecários, responsáveis em organizar e preservar este volume imenso de informação que ultrapassa os terabytes diários.

E de que novas tecnologias você fala? 

O livro tem três grandes partes, na primeira chamada “Nosso Primitivismo”, falo um pouco do contexto e se seremos lembrados no futuro. Produzimos com nossas ferramentas tecnológicas, ainda em evolução, os documentos que serão observadas no futuro como os registros de uma época. Quão primitivos iremos parecer? A resposta pode gerar algum temor, mas a preocupação é o combustível para fazermos o melhor que pudermos para que as diversas predições negativas sejam negadas quando o futuro chegar. Na segunda parte do livro, “Mapas e Estruturas”, abordo a curadoria da Informação Digital, a Arquitetura da informação, falo da evolução da estrutura da informação e chego a relacionar a taxonomia com a Inteligência Artificial. Acabo, então, na terceira parte do livro chamada “Ferramentas e Tecnologias” falando um pouco de inovação tecnológica e temas como Big Data, gestão do conhecimento e do conteúdo. Falo também das mídias sociais e ferramentas da web, redes segmentadas e até de aplicativos para Smartphones.

Você acha o que o livro acrescenta nas pessoas, nos profissionais da informação e arquivistas? 

O livro desafia o leitor acostumado aos documentos tradicionais a encarar a nova etapa informacional da humanidade, baseada em plataformas digitais. É uma ajuda para quem quer entender os tempos atuais. Obviamente não consigo abordar todos os temas completos, mas o exercício da abordagem arquivística também mostra caminhos que podemos começar a exercitar na academia e em nossos locais de trabalho. O posfácio de Vanderlei Batista dos Santos também é muito interessante, pois consegue fazer um grande resumo de tudo que expus e leva, para a área e de forma direcionada, a discussão proposta.

Charlley Luz é arquivista, professor da pós-graduação em gestão de documentos da FESPSP e consultor em estratégia de informações e ambientes digitais da Feed Consultoria. Autor dos livros Arquivologia 2.0, A informação Digital Humana e Primitivos Digitais, Uma abordagem Arquivística, recentemente lançado.

Publicado originalmente no Olhar Arquivístico

02/11/2015 at 08:17 Deixe um comentário

Um serviço especializado de informação

Que tal explorarmos um pouco mais o Serviço Especializado de Informação? Entender seu papel e desafios como prestador de serviço.

Continue Reading 20/02/2015 at 09:33 Deixe um comentário

Contexto: para entender o usuário de um serviço de informação

Os estudos de contexto visam identificar a necessidade do usuário, a busca e uso da informação e veremos, agora, em qual situação isso se dá.

Continue Reading 18/01/2015 at 18:47 2 comentários

Usuários, conceitos, estudos de necessidades e métodos de estudo

os estudos de usuários visam verificar estas necessidades informacionais através de variáveis que o utilizador demanda.

Continue Reading 17/12/2014 at 10:07 Deixe um comentário

O Arquivista como curador da Informação Digital

Um dos papéis de um curador da informação digital é gerenciar o conteúdo de ambientes digitais. E daí, estamos preparados?

Continue Reading 02/12/2014 at 15:19 1 comentário

Orkut: exemplo de preservação digital da informação

O Orkut se foi e o Google fez muito bem em disponibilizar para registro e consulta os conteúdos das comunidades. Foram mais de 51 milhões de comunidades, 120 milhões de tópicos, e mais de 1 bilhão de interações.

Continue Reading 01/10/2014 at 10:24 Deixe um comentário

Correspondências: amizade e ciência em tempos de ENEARQ

A arquivologia, além de ser meu campo de atuação e pesquisa, também me agraciou com algumas amizades, que mesmo a distância, são importantes para se viver. Tenho grandes amigos arquivistas e resolvi abrir uma recente “carta” eletrônica (ok, e-mail) que troquei com o grande Vanderlei Batista dos Santos. Dá uma espiada e vê se te inspira 🙂

Continue Reading 02/09/2014 at 20:18 Deixe um comentário

Posts antigos Posts mais recentes


Meu Twitter